Melhor Ação 2018 – Primeiro lugar
Área de Preservação da Nascente do Córrego São Vicente
Autores: Osamando Bandeira, Osório Manis, Osvaldo Sousa

Comunidade de São João do Paraíso ganha reconhecimento no estado pelas ações de conservação de nascente.

A comunidade de Estiva em São João do Paraíso, foi destaque no Prêmio Melhor Ação do Estado pela iniciativa dos moradores em parceria com Emater, e o apoio de uma empresa de Mineração e do sindicato dos Trabalhadores Rurais.

Em uma inciativa inédita no Norte Minas, para não dizer estado, em 2015 56 famílias moradoras da comunidade de Estiva se uniram, fizeram uma “vaquinha” e compraram a área onde havia uma nascente, degrada e muito maltratada pelas atividades agrícolas. As famílias decidiram mudar a realidade e pesando no futuro. O grupo, recebeu apoio e orientação dos extensionistas da Emater-MG. O terreno, onde fica a nascente do Córrego São Vicente, tem 47 hectares e foi adquirido do proprietário por R$ 27 mil. O valor foi divido entre os moradores da comunidade. Com isso, eles passaram a realizar ações de preservação, plantaram arvores, coletavam sementes para semear no local, mas era inútil, pois a falta de cercamento sempre trazia os animais a pisotear a área. Foi quando a presidente da Associação Dona Cleide de Moura resolveu pedir ajuda, ela procurou a ativista ambiental Adriana Chagas e contou sua história, a mesma logo se encantou com a ação e decidiu montar um projeto de cercamento, saiu pedindo patrocínios para comparar o material. A empresa Mineração Mata Verde conheceu a história da comunidade e logo se prontificou em doar todo o material, foram mais de 5 mil reais em doação. A comunidade se reunia aos domingos e feriados para realizar o serviço e logo a área estava toda protegida. Um conflito com um vizinho que insistia em cortar a cerca, levou a presidente a iniciar mais uma proposta de “vaquinha “ para comparar a terra desse vizinho e colocar como proteção, mas a Mineradora mais uma vez se prontificou em ajudar e comprou essa área, foram mais 25 hectares que agora estão com a associação. A empresa ainda construiu em toda a área de proteção, bacias de captação de águas pluviais e enxurradas. Isto porque as bacias ajudam no reabastecimento do lençol freático e a conter processos de erosão e assoreamento.

“Tem pessoas idosas que perguntavam para que entrar no projeto. Eu incentivei as pessoas a pensarem em seus netos. Pensarem no legado que poderiam deixar para eles”, conta a presidente da Associação Comunitária dos Moradores da Comunidade Rural de Estiva, Cleide de Moura.
As ações foram acompanhadas pela Emater-MG, em parceria com a Associação da Comunidade de Estiva e Conselho Municipal de Desenvolvimento Ambiental (Codema), Polícia Ambiental, entre outros.
“A vegetação nativa já se encontra bastante recuperada e a vazão de água corrente com um aumento significativo”, diz o técnico da Emater, Osvaldo Eleutério de Sousa em vídeo institucional da empresa.
“Eu acredito que, hoje, o nosso trabalho é uma pequena semente. Mas que, daqui a dez anos, nós vamos começar a colher os frutos. Eu nãos sei se eu vou estar aqui, mas eu acredito em Deus que quem estiver vai colher bons frutos”, diz a presidente da associação no evento de homenagem em Belo Horizonte no mês de dezembro de 2018, onde a presidente, os técnicos da Emater e a incentivadora Adriana Chagas que participou de todo o processo, estiveram recebendo a premiação.

O trabalho voltado para a preservação ambiental e proteção de nascente dos moradores da comunidade de Estiva, em São João do Paraíso, teve seu reconhecimento no prêmio “Melhor Ação da Emater”. O projeto ficou em primeiro lugar. “O Melhor Ação” é uma iniciativa da Emater, que seleciona os melhores projetos e ações no estado, desenvolvidos em seus escritórios. Toda a assistência técnica, o apoio na conscientização e nas iniciativas da empresa que adotou a bandeira da comunidade e propôs diversas ações, foi da equipe da Emater e reforço do Projeto Bem Diverso em parceria com a Embrapa. Na escola local, foram organizadas oficinas, os alunos do Distrito de Boa Sorte foram visitar em aulas campais com os engenheiros da empresa e a engenheira da Prefeitura Juliana Silva.

As famílias pretendem já montaram um projeto de canalização da água para implantar um sistema de abastecimento comunitário. Os tubos para a rede principal serão fornecidos pelo Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (DNOCS – Montes Claros), sendo 2,5 km de tubulação de PVC de duas polegadas.

Neste ano de 2019 a empresa iniciou o mesmo trabalho com a Associação de São Felipe e Taboleiro Alto, onde já ocorreram ações de mobilização, identificação dos problemas, reuniões de conscientização e capacitação, em parceria com os moradores, a Emater e o Projeto Bem Diverso.

4 Comments

  • Posted 28 de janeiro de 2020 17:40 SEO Service 0Likes

    Awesome post! Keep up the great work! 🙂

    • Posted 4 de março de 2020 18:48 Hélvio 0Likes

      Obrigado, vamos trabalhar para tornar público o diagnostico dos recursos hídricos.

  • Posted 16 de fevereiro de 2020 04:54 AffiliateLabz 0Likes

    Great content! Super high-quality! Keep it up! 🙂

Deixei um comentário